Bebê menos estressado


A afeição maternal transbordante dada aos bebês de alguns meses torna-os mais bem preparados para enfrentar os problemas da vida na idade adulta, segundo um estudo publicado nesta terça-feira no “Jornal de Epidemiologia e Saúde Comunitária”, uma revista norte-americana.
Na pesquisa realizada durante vários anos com 482 pessoas no Estado americano de Rhode Island, os cientistas compararam dados sobre a relação dos bebês de 8 meses com sua mãe e seu desempenho emocional, medido por testes, aos 34 anos de idade. Eles queriam verificar a noção segundo a qual os vínculos afetivos fortes a partir da primeira infância fornecem uma base sólida para se sair bem ante os problemas da vida. Até então, os estudos sobre o assunto eram baseados em relatos de lembranças da infância, sem um acompanhamento.
A qualidade da interação dos bebês com suas mães aos oito meses foi avaliada por um psicólogo, que anotou as reações de afeto e atenção da mãe. A classificação – datando dos anos 60 – ia de “negativa” à “excessiva”, passando por “calorosas”. Em cerca de um caso em dez, o psicólogo notou um baixo nível de afeto maternal em relação ao bebê. Em 85% dos casos, o nível de afeição era normal, e elevado em 6% dos casos.
Essas pessoas acompanhadas foram testadas, depois, aos 34 anos, sobre uma lista de sintomas reveladores de ansiedade e hostilidade e mal-estar em relação ao mundo. Qualquer que fosse o meio social, ficou constatado que os que foram objeto de mais carinhos aos oito meses tinham os níveis de ansiedade, hostilidade e mal-estar mais baixos. A diferença chegava a sete pontos no item ansiedade em relação aos outros; de mais de três pontos para hostilidade e de cinco pontos para o mal-estar.
Curiosamente, não havia diferença entre os que receberam um nível de afeto baixo e o normal. Isso poderia ser explicado, principalmente, segundo os pesquisadores, pela falta de interações verdadeiramente negativas na mostra observada. Segundo eles, isto confirma que as experiências, mesmo as mais precoces, podem influenciar na vida adulta. As memórias biológicas construídas cedo podem “produzir vulnerabilidades latentes”, dia o estudo.



Comentários